sábado, 16 de junho de 2012

AS BOAS CRÔNICAS DE ALEXANDRE BRANDÃO

    
   Repito: o melhor que a literatura me deu foi fazer bons amigos. Para minha maior alegria, muitos deles são ótimos escritores. 
   2009, Antonio Barreto convoca: "um meu conterrâneo vem a BH lançar livro no bar Agosto".  Atendi, claro. Sorte minha: conheci um ótimo bar, o Agosto Butiquim, do também passense Lucas Brandão e seu primo Alexandre Brandão, que lançava A câmera e a pena. No bar, depois ainda fizemos um encontro dos Quintaneiros Infernais, lançamos Como se não houvesse amanhã e tivemos outras tantas boas noitadas.
   Alexandre virou amigo de infância. Nestes quase 3 anos, tivemos poucos e semietílicos encontros (raro, escritor abstêmio). Mora no Rio de Janeiro/RJ, trabalha no IBGE e acaba de lançar No Osso - crônicas selecionadas (Cais Pharoux). Que é o que interessa: baita livro bom.
   Eu colocaria em qualquer antologia, ao lado de nossos craques, ao menos uma meia dúzia desta coletânea, que pode ser encontrada aqui: http://www.lojasingular.com.br/catalogsearch/result/?order=relevance&dir=desc&q=no+
   São crônicas que, como quaisquer boas outras, abordam temas do cotidiano, política, infância, linguagem, literatura, artes... E que, como as melhores dos melhores, são bem escritas, têm leveza, te deixam à vontade e te levam a breves reflexões sobre cada tema abordado.
   Repito: ganhar amigos - e que ainda são bons escritores, é um privilégio.

6 comentários:

  1. Ser lido por amigos, que ainda são bons escritores e leitores, é privilégio e meio.

    Valeu, mano.

    ResponderExcluir
  2. Coloco comentário a pedido de Maria Balé:

    Comigo, é unanimidade, mais um, na amizade, admiração e orgulho por ser amiga, leitora e tiete do Alexandre. E o livro é um banquete de letras.

    Beijos, Maria Balé

    ResponderExcluir
  3. Leitura prazerosa, realmente um "baita livro bom". Recomendo muito.

    ResponderExcluir
  4. Marco Túlio Costa18 de junho de 2012 03:43

    Ser cronista não é fácil. É preciso ter uma lente poética, uma câmera e uma pena privilegiadas, para olhar com tanta ternura, humor e sagacidade um cotidiano que, via de regra, é mesmice sem graça para qualquer outro. Assino embaixo de todas as recomendações.

    ResponderExcluir
  5. Meus parabéns Alexandre, por mais esta empreitada vitoriosa!

    ResponderExcluir
  6. Meus parabéns Alexandre, por mais esta empreitada vitoriosa!
    Nilo Macedo

    ResponderExcluir